Os Pastores Belgas
 

 

Home
Photo Gallery
Os Pastores Belgas
Cuidados Medicos
Educacao Canina
Actividades
Jornal de Destaques
Anuncios
Consultorio
Em Memoria de...
Guestbook
Mailing List
Links

 

 

Aqui iremos falar sobre esta bonita e particular raça de cães, os Pastores Belgas.
Todos os dados constantes desta seccao foram recolhidos em documentacao diversa.

Agradecimento especial a João Rios

bullet
As 4 variedades
bullet
Groenendael
bullet
Tervueren
bullet
Malinois
bullet
Laekenois
bullet
A Historia
bullet
As Caracteristicas
bullet
O Standard
bullet
As doencas
bullet
Os cuidados

 

A Historia

Ainda que a origem desta raça seja um pouco desconhecida, sabe-se que as quatro variedades se desenvolveram a partir de numerosos cães de pastor existentes na Bélgica nos finais do século XIX.
Ao longo da história, os Pastores Belgas ocuparam sempre um primeiro plano: umas vezes uma variedade, outras vezes, outra; mas sempre permaneceram unidos e isso valeu o seu êxito.
Preservaram-se muito bem, como autênticos guardadores de rebanhos do século passado.
Ainda que tenham decorrido 100 anos, os primeiros dados sobre Pastores Belgas referenciavam uma altura aproximada de 50 a 55 cm. ao garrote.
As melhorias nutricionais que se produziram ao longo deste último século, poderão ser a explicação para este aumento da estatura média. No entanto, a sua estrutura manteve-se inalterada.
Voltar acima

As Caracteristicas

Não nos cansaremos de repetir que é UMA só raça com quatro variedades, já que devido a aspectos muito individualizados e a algumas particularidades de carácter, os Pastores Belgas poderiam considerar-se raças completamente distintas, ainda mais se tivermos em conta que cada variedade tem os seus apoiantes.
O Pastor Belga constitui o exemplo de que uma raça pode conciliar uma mesma estrutura e comportamento com uma grande variedade de aspectos físicos (côr, pelo, etc.).
A estrutura do Pastor Belga permaneceu invariável ao longo do tempo.
A estatura média situa-se nos 62 cm. para o macho e nos 58 cm. para a fémea, sendo o peso médio de 28 kg.
Os Pastores Belgas são incrivelmente rústicos e habituados à vida ao ar livre. Adaptam-se a qualquer ambiente climático devido à pelagem densa e espessa, que resiste ao clima de estações bem marcadas da Bélgica, com calor, neve e chuvas. Muito activos, adoram correr durante horas, daí a necessidade de viverem em ambientes espaçosos, onde possam exercitar-se à vontade. Se não, passear na rua, duas ou três vezes ao dia, é condição obrigatória para o bem estar destes cães.
Ágeis e de estrutura especialmente feita para andar bastante, podem vigiar grandes áreas sem se cansar. Toda essa vitalidade, conjugada com o alto grau de obediência e a devoção em servir o dono, tornam-nos aptos a várias outras actividades.
São excelentes competidores em desportos caninos, como o agility, que exige rapidez para vencer o obstáculo, e o fly-ball, prova de habilidade em ir buscar uma bola e trazer ao dono.
Desempenham igualmente bem o trabalho de busca e salvamento, guia de cegos, guarda e cão-polícia (função para a qual são muito utilizados na Bélgica ). Aliás, a sua actuação de cão-polícia, salvou os Pastores Belgas da extinção durante as duas Grandes Guerras. Ao contrário da maioria das raças, que nesses períodos foi quase dizimada, eles foram preservados graças à sua habilidade nos serviços militares como mensageiros, guardas de fronteiras e auxiliares da Cruz Vermelha, entre outras tarefas.
O Malinois faz parte do Guiness Book, como o maior farejador de drogas de todos os tempos. Durante a Eco 92, no Rio de Janeiro, Brasil, foi também escolhido para fazer a segurança do Presidente Bush, dos Estados Unidos.
São cães muito afectuosos.
Os Pastores Belgas precisam de ter contacto com o dono para ficarem felizes. Se permanecerem no jardim, sem nenhuma atenção, tornam-se tristes.
O alto instinto de protecção em relação às pessoas mais próximas, faz com que andem rodeando o dono, em vez de seguirem ao lado, característica tão peculiar, que o próprio standard a comenta.
Defendem com coragem extrema a propriedade e os donos. Outra característica interessante, é que não abandonam o território, para perseguir um invasor em fuga. Trata-se de mais uma herança da vida de pastor, em que não podiam deixar o rebanho sózinho.
De pessoas estranhas, não gostam nada! Caso não sejam devidamente apresentados pelo dono, avançam mesmo. O ataque também apresenta uma peculiariedade: Mordem e soltam, repetidamente. Dessa maneira, ficam menos expostos ao agressor, pois não permanecem agarrados a ele, sujeitos a retaliações.
Como cães de alarme, deixam um pouco a desejar: ladram por qualquer motivo, seja por causa de um gato, ou por causa de um ladrão.
Voltar acima

O Standard (Estalao)

Grupo : 1 ( Cães Pastores)
Nome no país de origem: Berger Belge - Groenendael, Malinois, Tervueren, Laekenois.
Utilização: pastoreio e guarda.
Altura: 60 a 66 cm.(o macho) e 56 a 62 cm.(a fémea).
Peso: entre 20 e 30 Kg. aproximadamente.
Máscara: tende a envolver os lábios, a comissura e as pálpebras numa só área preta.
Côres:  No Tervueren, o fulvo-encarvoado, sendo o mais natural, é o preferido.
            No Malinois, unicamente o fulvo-encarvoado, com máscara preta.
            No Groenendael, unicamente o preto unicolor.
            No Laekenois, o fulvo, com traços de encarvoado, principalmente no focinho e na cauda. Um pouco de branco é tolerado no ante-peito e nos dedos.
Pêlo: de aspecto, comprimento e direcção variados. Em todas as variedades, o pêlo é sempre abundante, denso, bem texturado, formando juntamente com o sub-pêlo lanoso um excelente invólucro protector.
Cabeça: bem cinzelada, moderadamente longa e seca. O comprimento do crâneo e focinho são sensivelmente iguais, no máximo com uma vantagem muito ténue para o focinho, o que confere ao conjunto, uma sensação de fino acabamento.
Trufa: preta, narinas bem abertas.
Focinho: de comprimento médio e largura diminuindo suavemente. Cana nasal recta; visto de perfil, as linhas superiores do crâneo e do focinho são paralelas. Boca com articulação e boa abertura.
Bochechas: secas, bem planas, se bem que musculadas.
Lábios: finos, de oclusão bem ajustada; a boa pigmentação do epitélio recobre a côr vermelha das mucosas.
Dentadura: maxilares bem desenvolvidos, providos de dentes fortes e brancos, alinhados e firmemente engastados nos alvéolos. Mordedura em tesoura, isto é, os incisivos superiores ultrapassam, tocando com a face posterior, a face anterior dos incisivos anteriores. A mordedura em torquês, isto é, toque de topo dos incisivos superiores com os inferiores, preferida pelos pastores, é tolerada.
Stop: moderadamente definido.
Arcadas superciliares: não proeminentes, focinho bem cinzelado sob os olhos.
Orelhas: Triangulares, inserção alta, direitas.
Olhos: de tamanho médio e no plano da pele, com formato ligeiramente amendoado, de côr castanha, preferencialmente escura; rima das pálpebras preta. Expressão franca, inteligente, de olhar esperto e inquiridor.
Corpo: Peito largo, mas profundo e a descer, como em todos os animais de grande resistência. A caixa toráxica é circunscrita por lados arqueados na sua parte superior. Garrote acentuado. Linha superior direita, ampla e musculada.
Pescoço: bem desenvolvido. Ligeiramente alongado, bem musculado, isento de barbelas, alargando-se suavemente para os ombros.
Nuca: linha superior com ténue arqueamento.
Crâneo: de largura média, em relação ao comprimento da cabeça; com a testa mais plana que arqueada e o sulco sagital pouco acentuado; visto de perfil, as linhas superiores do crâneo e do focinho são paralelas.
Membros anteriores: ossatura consistente, musculatura forte e seca.
Ombros: escápulas longas e inclinadas, bem articuladas e moldadas ao tórax, fazendo o ângulo ideal com o úmero, de forma a proporcionar o movimento fluente dos cotovelos.
Braços: trabalham em planos verticais, paralelos ao plano medial, correctamente direccionadospara a frente.
Patas: mais para redondas; dedos arqueados e bem fechados; almofadas com sola espessa e flexível, unhas escuras e grossas.
Tronco: robusto, sem rusticidade. O comprimento da ponta do ombro à ponta da nádega ( nos machos ), é próximo à altura da cernelha. As fémeas podem ser mais alongadas.
Peito: pouco largo mas em compensação, profundo, como em todos os animais de grande resistência. A caixa toráxica é estruturada por costelas arqueadas no terço superior.
Cernelha: marcada.
Garupa: suavemente inclinada e moderadamente larga.
Membros posteriores: robustos, sem rusticidade, trabalhando no mesmo plano dos anteriores, e aprumados.
Pernas: longas, largas, musculadas e correctamente anguladas com os jarretes, mas não excessivo. Jarretes curtos, desenvolvidos e musculados. Visto por trás, perfeitamente paralelos.
Cauda: bem inserida, forte na raiz, de comprimento médio. Em repouso, fica pendente, com a ponta ligeiramente encurvada. Em acção, levantada e com a ponta encurvada, sem enrolar ou desviar-se.
Movimentação: em movimento, parece sempre infatigável. Devido ao seu temperamento exuberante, há uma tendência marcante para o movimento em círculos, em vez de linha recta.
Voltar acima

As doencas

A raça é resistente a doenças. Mas como qualquer outra, não está livre de problemas hereditários.
Existem quatro doenças que têm maior possibilidade de de serem de origem genética, pelo que a única forma de prevenção é seleccionar os cruzamentos, retirando os portadores da reprodução.
Displasia: problema de má formação ósseas entre o quadril e as pernas. Comum em raças de grande porte, a verificação da doença é feita por meio de radiografias. Causa muitas dores, dificuldade de movimentação, e pode deixar o cão aleijado.
Epilepsia: convulsões, salivação intensa, e em alguns casos, falta de controlo sobre as funções intestinais. Pode-se manifestar em exemplares novos, ou mesmo nos mais velhos. Não há cura definitiva, mas é possível reduzir o número de crises através de medicamentos específicos.
Atrofia progressiva da retina: desenvolvida por volta dos seis anos, pode causar cegueira.
Pannus: os vasos sanguíneos dos olhos incham e cobrem parte do globo ocular, causando cegueira. Aparece em geral, entre os cinco e os sete anos de idade. Há tratamento à base de esteróides, como a cortisona, mas não elimina o mal: apenas evita que avance.
Voltar acima

Os Cuidados

        A alimentação
Para a alimentação de um adulto devemos contar com uma quantidade diária de cerca de 400gr., de uma boa ração seca, o que equivale a 250-300 gr. de carne por dia.
Estas quantidades devem aumentar nos caso dos cães de trabalho.
Para os cães de pelo longo, pode-se acrescentar um complemento vitamínico.
        A escovagem
O Malinois praticamente não precisa de nenhum cuidado especial, excepto na altura da muda do pelo.
O Laekenois precisa de escovagens frequentes: uma ou duas fortes escovagens por semana. Se o pelo estiver sujo, recomenda-se um shampoo seco.
O Groenendael e o Tervueren, necessitam de uma escovagem semanal.
Voltar acima